EDV: Hino da Escola Desportiva de Viana

Caminhamos a passo aprumado
E levamos o futuro na mão,
Somos jovens de rosto levantado,
Temos alma e temos coração.

Para nós é a grande glória
Praticar o desporto a sorrir
E aos poucos ir fazendo a história
Do clube que escolhemos servir.

Escola Desportiva
Escola Desportiva,
Mas que turma sem rival
Escola Desportiva
Escola Desportiva,
Que não há outra igual!

Escola Desportiva
Escola Desportiva,
Tua fama não engana,
Escola Desportiva
Escola Desportiva,
É a Escola de Viana!

Todos juntos queremos crescer,
Com vigor saúde e alegria,
Cada dia trabalhar e aprender
E aprender a amar cada dia.

Confiantes seguimos em frente,
Bem sabemos que a luta é insana,
Mas sentimos a chama ardente
Da Escola Desportiva de Viana.

Letra: Fernando Castro e Sousa
Música: Maestro José Pedro

Basquetebol: Iniciadas terminam época com vitórias

As duas equipas de sub 14 feminino da ED Viana terminaram a época competitiva em alta. A equipa de sub 14 B (nascidas em 2002) defrontaram o ATC, em jogo a contar para a Taça do Minho nível II, levando a melhor por 52-54. Por sua vez, a equipa de sub 14 A (nascidas em 2001) receberam a CP Esgueira, no Torneio Interassociações, vencendo por 44-43.

Os minis (sub 12 feminino e sub 12 masculino) realizaram a última jornada da Liga Distrital de Minibásquete com boa disposição e vontade de jogar muito mais. A sua grande maioria iniciou o basquetebol ao longo desta temporada. Os atletas deste escalão ainda estão na fase de aprender a ganhar o gosto pela modalidade. Objetivo que a ED Viana tem vindo a atingir.

Hóquei: Três juvenis convocados para selecção da AP Minho

Gonçalo Neto, Edgar Barbosa e Miguel Lopes, três atletas juvenis de hóquei em patins, da Escola Desportiva de Viana, foram convocados pela Associação de Patinagem do Minho (AP Minho) para o treino preparatório do 4º Torneio Luso-Galaico.

Este torneio disputa-se a 30 e 31 de Maio, em Cerceda, Espanha.

Natação: Ana Rita Pimenta conquista 2.º lugar no Torneio Nadador Completo

A nadadora juvenil B da Escola Desportiva de Viana, Ana Rita Pimenta, terminou em 2.º lugar no conjunto de provas do Torneio Nadador Completo de Juvenis e Infantis. Este torneio disputou-se a 9 e 10 de Maio, em Ponte da Barca.

No calendário competitivo deste torneio constaram as provas de 100 metros nas quatro técnicas (mariposa, costas, bruços e crawl) e os 200 metros Estilos que, ao somar a pontuação de cada uma, exprimiram os resultados finais do torneio. Além da subida ao pódio de Ana Rita Pimenta, os nadadores Beatriz Brandão (infantil A), Simão Pereira (infantil A) e João Carvalho (juvenil B) estiveram em bom plano, conseguindo o 4.º lugar.

Extra prova, alguns nadadores juniores e seniores marcaram presença com o intuito de avaliar o trabalho que tem sido feito para as competições que se avizinham. Assim, Catarina Ferreira, Lara Vaz e Ana Sofia Afonso conquistaram os três primeiros lugares da categoria Júnior, no setor masculino Nuno Graça e Tiago Alves obteram o 1º e 3º Lugar em juniores e por fim, Carlos Sotelo e Miguel Passos conquistaram o 1º e 2º lugar da categoria séniores.

A comitiva da Escola Desportiva de Viana chefiada pelos treinadores José Lima, Nuno Carvalho, João Vieira, Filipa Pinheiro e o diretor Paulo Neves contou os seguintes atletas: Ana Sofia Afonso, Ana Rita Pimenta, André Branco, Beatriz Brandão, Beatriz Rabeca, Bruna Fonte, Carlos Sotelo, Carolina Oliveira, Catarina Ferreira, Eduardo Costa, Francisco Carvalho, Francisco Antas, Iara Sousa, Jéssica Lemos, João Carvalho, João Nogueira, Lara Vaz, Lara Gigante, Laureano Ramos, Luana Ramos, Luzia Rocha, Leonor Rocha, Mariana Silva, Mário Barros, Miguel Passos, Mónica Alves, Nuno Graça, Patrícia Afonso, Pedro Cadilha, Rita Cunha, Sara Araújo, Simão Pereira, Tiago Alves, Tiago Novais e Tomás Neves.

A prova foi organizada pela Associação de Natação do Minho e contou com a presença de todos os clubes associados.

Trail: Taça Ibérica de Trail uniu raia minhota

A Taça Ibérica de Trail teve lugar no dia 10 de maio, percorrendo trilhos do concelho de Vila Nova de Cerveira. Foi organizada pelos municípios de Vila Nova de Cerveira e de Tomiño, em colaboração com a Escola Desprtiva de Viana e a Viana Adventure. Contou com mais de três centenas e meia de participantes, oriundos de todo o país e do país vizinho.

Esta prova integrou três percursos: a versão ultra trail com um percurso de 50 quilómetros e 3100 metros de desnível positivo, o trail de 22 quilómetros e 1900 metros de desnível positivo e a caminhada, sem carácter competitivo, com 10 quilómetros e cerca de 1000 metros de desnível positivo. As provas com classificação oficial (ultra trail e trail) foram ambas avaliadas com grau 3 (numa escala de 1 a 4), pela Associação de Trail Running de Portugal (ATRP).

O espanhol Raul Gil venceu a prova rainha, percorrendo os 50 km em 5:37:43 horas, impondo-se a Pedro Caprichoso, padrinho da prova, e ao seu compatriota Jorge Carrera, em 21 minutos e 29 minutos, respectivamente. No feminino, a vitória pertenceu também ao outro lado da fronteira, tendo Estela Ballesteros completado o percurso em 7:22:27 horas, seguida de Margarita Beiro (7:35:45 h) e de Mira Matias (8:40:56).

No Trail, o português Rui Laranjeira venceu a prova, com o tempo de 2:20:21 horas. O pódio ficou preenchido com Alberto Lomba, que percorreu os 22 km em 2:21:54 horas e Dani Corvo que completou a distância em 2:26:12 horas, dois galegos que demonstraram a sua boa condição física por terras de Cervaria. Relativamente às mulheres, Ana Gonçalves (2:42:07h) foi a vencedora da competição, conseguindo vantagem sobre Carla Pereira (2:49:45 h) e Paula Lage (2:52:07 h), segunda e terceira classificadas, respectivamente.

No que concerne às equipas premiadas no Trail, o primeiro lugar foi conquistado pelo Desnível Positivo, tendo ganho o ambicionado prémio monetário de trezentos euros, o segundo lugar foi alcançado pela equipa organizadora (EDV-Viana Trail) e o pódio ficou completo com a Runing Team Lantemil que angariou cem euros de gratificação.

Como o ultra trail apresentou uma dificuldade acima da média, só apto para os mais duros do pelotão, apenas duas equipas se encontraram em condições regulamentares de subir ao pódio. Deste modo, a vencedora do cheque mais recheado foi a Aviva Sport Club, à qual se seguiu Trail Running Nigran.

Os percursos mais curtos tiveram uma forte adesão, especialmente de residentes do concelho de Vila Nova de Cerveira.

Os participantes deram especial destaque à organização da prova, salientando a beleza dos trilhos, a qualidade dos abastecimentos aliados à simpatia de todo o staff. Foram unânimes em afirmar que os percursos eram muito duros, o que tornou a meta numa grande conquista. Os rostos e os comentários eram reveladores de uma enorme alegria, sendo notório o orgulho sentido por mais um desafio superado.

Com um feedback muito positivo os organizadores adiantam que a prova de 2016 já está a ser estruturada.

Todas as classificações disponíveis em: http://www.cyclonessports.com/


Esgrima: Helena Afonso é Vice Campeã Nacional

A esgrimista da Escola Desportiva de Viana, Helena Afonso, sagrou-se vice campeã nacional de iniciadas, conseguindo duas subidas ao pódio em Campeonatos Nacionais na presente época, pois já se sagrara campeã nacional de cadetes por equipas.

Na fase de qualificação a edvista venceu quatro dos cinco jogos disputados, passando à fase de eliminação com o número 3. No quadro principal, Helena Afonso eliminou com grande normalidade as primeiras adversárias até encontrar na final a número 2 nacional, Inês Alvito do Ginásio Clube Português, a quem venceu por claros 15/5. Na final a vianense, ainda a recuperar de uma lesão, não conseguiu jogar a um ritmo muito elevado, acabando por perder com a número 1 nacional, Marta Caride do Sport Club do Porto.

Na competição masculina participaram os esgrimistas da EDV Afonso Silva, Danilo Costa e Tomás Ferreira. Danilo Costa classificou-se em 13.º, tendo eliminado o seu colega de clube Tomás Ferreira, Afonso Silva terminou no 14.º lugar e Tomás Ferreira foi o 21.º entre os 38 participantes. Na prova de equipas, a EDV terminou no 4.º lugar ficando muito perto de subir ao pódio.

Natação: XXXIX ANIVERSÁRIO DA EDV (aquecimento)

XXXIX ANIVERSÁRIO DA EDV – 16 MAI 2015

Aquecimento: horários e pistas / clubes

14h00 – 14h30:
PISTA 1: EDV (15)
PISTA 2: EDV (14)
PISTA 3: EDV (14)
PISTA 4: EDL (12)
PISTA 5: GCST (16)
PISTA 6: EMDB (10)
PISTA 7: SCB (12)
PISTA 8: VNC (15)

14h30 – 15h00:
PISTA 1: LSC (12)
PISTA 2:CFP (9)
PISTA 3: CFV (14)
PISTA 4: CAP (8) / MAIA (4)
PISTA 5: FCP (8) / MAIA (4)
PISTA 6: VALONGO (12)
PISTA 7: VSC (17)
PISTA 8: GDNVNF (12)

15 CLUBES

Comunicado da direcção sobre o protocolo existente com a Associação Juventude de Viana

O estabelecimento de parcerias estratégicas, principalmente numa área fundamental como a das infraestruturas, onde a autarquia se destaca como parceiro fundamental, foi e é hoje um procedimento incontornável e claramente aconselhável a fim de, conjugando os vários interesses, viabilizar financeira e qualitativamente qualquer clube ou associação desportiva.

Por isso, em 5 de Maio de 2004, foi estabelecido um protocolo de cooperação desportiva entre as duas Instituições, Escola Desportiva de Viana (EDV) e Associação Juventude de Viana (AJV), no âmbito do Hóquei em Patins que ainda se encontra em vigor.

Este protocolo visa e cita-se: “melhorar a prática desse desporto e rentabilizar as infraestruturas e tempo de treino existentes para os dois clubes perante a Câmara Municipal de Viana do Castelo.

Neste mesmo documento ficou determinado que a EDV terá ao seu cargo, “(…) perante o trabalho frutuoso que tem efetuado na Formação (…)” as equipas de Escolinhas, Infantis, Iniciados e Juvenis, assim como os escalões de captações de atletas para a modalidade. Os restantes dois escalões, Juniores e Seniores seriam e são da responsabilidade da AJV.

Este protocolo foi e é tão necessário, pois segundo o mesmo documento e à data do mesmo “(…) O pavilhão que o Município coloca à disposição para a prática do hóquei em patins tem pouca disponibilidade pois o tempo reservado para a modalidade é de 2ª a 6ª feira das 19 às 23 horas e com este horário os tempos de treino são muito escassos e se porventura os dois clubes tivessem a seu cargo todos os escalões, seria impossível conciliar (…)”.

Para concretizar estes objetivos, competia e compete à AJV apoiar a EDV num conjunto de domínios a saber, nomeadamente:

- “Orientação desportiva dos Técnicos da AJV ao Coordenador da EDV”;
- “Apoio clínico e mecânico aos atletas da EDV e respetivo material pessoal”;
- “Cedência de material de hóquei às camadas jovens da EDV”;
- “Cedência de espaços de publicidade e respetivas condições…”;
- “Trabalho conjunto em prol da modalidade,… por exemplo na rentabilização do espaço e tempos de treinos, perante a Câmara Municipal…”


À EDV, no ponto 5, competiria, nos intervalos dos jogos da AJV, divulgar o seu trabalho de formação no hóquei e na patinagem.

Este protocolo tem a duração de 4 anos e é renovável automaticamente por períodos idênticos, salvo se houver alterações, comunicadas seis meses antes da cessação do mesmo.

São estas as condições deste protocolo.

No entanto a realidade do dia-a-dia comprova que a transição natural e desejável de atletas da EDV para a AJV tem sofrido ao longo destes 11 anos de parceria uma descida acentuada, culminada por uma rejeição coletiva e sem precedentes, nesta época desportiva 2014-15, de atletas e respetivos pais, à natural continuidade do processo desportivo/formativo, no escalão júnior, sob a responsabilidade da AJV.

A direção da EDV, alertada pelos diretores da secção do hóquei em patins, que estão em contacto diário com atletas e pais, perante a possibilidade deste facto, estabeleceu contactos, atempadamente, há mais de três meses com a autarquia local na pessoa do responsável pelo pelouro do Desporto, que desde logo se prontificou a patrocinar e mediar reuniões tripartidas, no sentido de inverter e impedir a deserção de toda uma equipa de qualidade superior e que estava a ser altamente aliciada por outras coletividades de regiões ou cidades vizinhas.

Imediatamente foram realizadas três reuniões preparatórias, com os presidentes das duas coletividades, onde de uma forma clara e objetiva foram debatidos os diferentes assuntos, identificando problemas e procurando soluções inerentes à modalidade e aos objetivos de cada coletividade. Realça-se o papel do mediador, na pessoa de Vitor Lemos e de toda a equipa autárquica com responsabilidade no desporto, que tudo fez para que as coletividades, efetivamente, trabalhassem em conjunto na procura de soluções que evitassem a saída de quadros desportivos de altíssima qualidade, da nossa esfera de controlo e da nossa cidade.

Relembramos que nesta modalidade as transferências entre clubes são livres de qualquer compensação financeira até aos 23 anos e os atletas no final de cada época desportiva são livres de estabelecer contrato com qualquer outro clube, com ou sem a anuência do clube anterior.

Nessas reuniões, a EDV apresentou várias propostas de alteração ao Protocolo em vigor com soluções que impediriam, no imediato, a saída de atletas, nomeadamente a criação do escalão de sub 23, vulgo equipa B, da responsabilidade da AJV, reunindo nessa equipa atletas de Viana do Castelo que se encontram dispersos nos outros clubes da região, a maioria procedentes no passado dos escalões de formação da EDV e o prolongamento dos escalões de formação, dos sub 17 (juvenis) para os sub 20 ( juniores) sob a responsabilidade da EDV.

Nesta proposta, a EDV realçou que o nível competitivo e o escalão onde a AJV exerce a sua atividade, felizmente encontra-se ao mais alto nível nacional e internacional, carece de uma plataforma de proteção ao plantel compatível com as suas necessidades e que um escalão de juniores (sub 20) não oferece nem nunca oferecerá garantias de qualidade e ou sustentabilidade ao seu processo competitivo, obrigando a instituição a um grande esforço financeiro, com atletas externos à sua formação ou cidade, todos os anos e de forma contínua. A EDV realçou a quantidade de atletas formados em Viana do Castelo que nestes 11 anos de protocolo foram simplesmente cilindrados neste processo e viram interrompidas as suas carreiras desportivas, precocemente, por falta de oportunidades num clube de uma modalidade de apenas 10 a 12 elementos por equipa/plantel anual e com o nível de exigência mundial.

A existência de um plantel de uma equipa B, numa divisão inferior, aumentaria as condições de prática e uma melhor adaptação à exigência de um plantel à imagem da AJV.

Face à constante intransigência dos pais dos atletas da EDV em reunir com a AJV e à transição dos seus filhos para o seu plantel júnior, que a EDV e a sua Direção se abstém de comentar, entende que esta solução permitiria a manutenção de toda uma equipa em Viana do Castelo, ao serviço da EDV, provavelmente de um dos melhores plantéis Sub 17, formados neste clube ao longo destes 39 anos de existência, por mais três anos, até aos Sub 20.

Todas as propostas apresentadas pela EDV, em reunião tripartida na Câmara Municipal, foram totalmente rejeitadas pela direção da AJV, inviabilizando qualquer alteração ao protocolo existente. Como tal, a direção da EDV, respeitando os documentos e compromissos herdados, assume a sua incapacidade de alterar o rumo dos acontecimentos e mais uma vez lamenta que os seus atletas, alguns com mais de 12 anos de formação inicial, tenham que continuar o seu processo formativo/competitivo fora de Viana do Castelo. Tudo fizemos para que isso não acontecesse, até ao último dia, quer oficialmente quer particularmente e isso é e sempre foi a nossa luta, o nosso compromisso, a nossa Missão.

Quando o presidente da AJV alegou nas ditas reuniões “(…) nada saber sobre as razões pelas quais os atletas não querem ingressar na AJV (…)”, o presidente da EDV relembrou que a época desportiva ou épocas desportivas não se resumem ao dia da assinatura de um contrato desportivo, mas sim a todo um processo dinâmico de apoio, acompanhamento diário e incentivo à transição natural de um clube para outro que nunca foi feito, antes pelo contrário, como por exemplo:
- A asfixia de espaços para a prática de treinos, culminada nesta época desportiva, onde o espaço desportivo para atletas da EDV, dos 8 aos 16 anos se limitou a apenas duas horas diárias para quatro equipas de escalões de formação inicial. Isto, apesar dos muitos pedidos de alteração dos mesmos e onde o escalão juvenil foi claramente o mais afetado pela intransigência da AJV. Aliás, após todos os pedidos e promessas de cedência de mais 15 minutos a partir do final de Setembro de 2014, infelizmente, isso nunca aconteceu;
- O impedimento do acesso gratuito aos jogos da AJV a todos os atletas do escalão juvenil nesta época desportiva. Mais uma vez teve que ser o presidente da EDV a questionar a direção da AJV e tentar fazer perceber que este tipo de comportamento teria, tal como veio a acontecer, resultados adversos para as duas colectividades;
- As atitudes e comportamentos perfeitamente inqualificáveis do seu Diretor Desportivo que de uma forma constante e diária ofende o trabalho da secção da EDV, incluindo pais, treinadores, atletas e dirigentes;
- Destruição pura e simples de todo um trabalho formativo de mais de 12 anos, em atletas que depois de transitarem e fazerem parte do escalão júnior na AJV, alguns ao fim de apenas 6 meses nesse escalão, abandonam completamente a modalidade. Esta realidade sido uma constante nestes últimos anos;
- Em relação ao Protocolo, as obrigações da AJV não têm sido cumpridas. Por exemplo, esta época o custo do treinador de guarda-redes (atleta quadro da AJV) é suportado na totalidade pela EDV.

Terminando, a EDV promove e melhora as condições para a generalização da prática desportiva a todos os níveis e idades e num grande esforço conjunto consolida e reforça o papel do desporto vianense nos contextos nacional e internacional.

Foram e são, estes, afinal, os propósitos que sempre uniram todos os intervenientes desportivos na Escola Desportiva de Viana.

O número de atletas produzidos anualmente é revelador das nossas capacidades, do trabalho, da organização e da competência dos nossos agentes desportivos, que tornaram possível o que se faz e como se faz. De ano para ano são mais e melhores. É isso que procuramos. É isso que interessa e nada nem ninguém alterará o nosso processo.

Mas, o mundo tem recompensado com mais frequência as aparências do mérito do que o próprio mérito. Infelizmente.

Continuamos a pensar que o respeito pelas Instituições nos obriga a falar verdade e por isso colocamos on-line uma cópia do Protocolo.

Continuamos a pensar que as parcerias são a melhor forma de rentabilizar e potenciar uma área fundamental como é a das Instalações Desportivas.

Nós somos um Clube para uma Cidade, nós somos Escola Desportiva de Viana.

Viana do Castelo, 14 de Maio de 2015
Direcção da Escola Desportiva de Viana
Rui Jorge Silva
(presidente)




Hóquei: Gonçalo Neto novamente convocado para selecção nacional sub 17

Gonçalo Neto, atleta juvenil da Escola Desportiva de Viana, voltou a ser convocado por Nuno Ferrão para a última sessão de trabalho da selecção nacional sub 17, antes do campeonato da Europa da categoria.

As sessões de trabalho estão marcadas para 18 e 19 de Maio, no pavilhão municipal do Luso, a exemplo das anteriores sessões, em que Gonçalo já marcou presença. Destas sessões sairá a convocatória final de Nuno Ferrão para o campeonato da Europa.

BTT: EDV alcança o pódio em Estremoz

A EDV-VianaCycles/Entreportas/Mypharma conseguiu o terceiro lugar, em Masters, na etapa da Taça de Portugal de Maratonas, que teve lugar este domingo, dia 10, em Estremoz.

Numa das etapas mais dificeis do calendário nacional, em que as temperaturas rondaram os 40 ºC, os atletas da EDV conseguiram bons resultados. Albino Sôro, 2.º em Masters 30, Rui Anjos, 3.º em Masters 40 e Rodolfo Lopes, 1º em Masters 45, foram os atletas com melhores resultados. Carlos Lima, campeão nacional, desistiu devido a problemas mecânicos.